top of page
  • Jornal comunidade SC

Cerca de 100 mil enfermeiros anunciam greve “sem precedentes” no Reino Unido

Enfermeiros no Reino Unido atingiram o ponto de ruptura.



Cerca de 100 mil membros do Royal College of Nursing caminharão pela Inglaterra, País de Gales e Irlanda do Norte na quinta-feira (15), no primeiro dos dois dias de greves deste mês, para protestar contra salários e condições de trabalho ruins.


Eles planejam sair novamente em 20 de dezembro. (As enfermeiras na Escócia estão negociando uma oferta de pagamento separada.)

É a primeira vez em seus 106 anos de história que o RCN – o maior sindicato de enfermagem do Reino Unido – entra em greve na Inglaterra. A ação foi desencadeada por uma crise de custo de vida que reduziu o poder de compra dos enfermeiros quase três anos após o início de uma pandemia que levou muitos a seus limites.

“É algo sem precedentes”, disse Billy Palmer, membro sênior da Nuffield Trust, uma empresa de pesquisa em saúde, à CNN. Embora pequenos bolsões de pessoal de enfermagem tenham saído antes, o Serviço Nacional de Saúde do país não viu “nada dessa escala até agora”, acrescentou.

Em parte isso ocorre porque, durante a maioria de sua história, o RCN teve uma política de “não greve”. Em 1995, o sindicato mudou suas regras, permitindo greves desde que não comprometessem o atendimento aos pacientes.

“A segurança do paciente é sempre fundamental”, diz a organização em seu site, acrescentando que alguns profissionais de enfermagem continuarão trabalhando durante a greve. O RCN prometeu manter serviços críticos, incluindo tratamentos de quimioterapia e diálise, durante as paralisações deste mês.

As enfermeiras se juntam a centenas de milhares de outros trabalhadores britânicos que estão em greve em dezembro, incluindo funcionários ferroviários, carteiros e motoristas de ambulância. No centro dessas disputas estão os salários, que não conseguem acompanhar a inflação, a qual atingiu em outubro de 11,1%, a maior alta em 41 anos.

É a maior onda de agitação industrial desde o infame “inverno de descontentamento” do país no final dos anos 1970, quando inúmeros trabalhadores, de caminhoneiros a coveiros, entrou em greve.

O caos levou o primeiro-ministro Rishi Sunak a alertar que novas leis “duras” que restringem a greve estão a caminho.

“Já é suficiente”

No início deste ano, o RCN rejeitou uma oferta do governo para aumentar o salário dos enfermeiros em um mínimo de 1.400 libras (US$ 1.707) por ano. A oferta representou uma alta média de 4,3%, bem abaixo da taxa de inflação.

Pat Cullen, secretário-geral e executivo-chefe do RCN, disse no mês passado que “já era o suficiente” e que as enfermeiras “não tolerariam mais uma situação financeira difícil em casa e uma situação difícil no trabalho”.

O sindicato diz que quer um aumento salarial de 19% – um aumento de 5% sobre a inflação de 14%, medida pelo índice de preços no varejo de outubro – e que o governo preencha um número recorde de vagas de funcionários que, segundo ele, está comprometendo a segurança do paciente.

A organização sabe que isso é otimista, disse Palmer. As enfermeiras não estão “genuinamente esperando” por tal aumento, falou, mas simplesmente usando-o como ponto de partida para as negociações.

Mas essa demanda “não é acessível”, afirma Steve Barclay, secretário de saúde do Reino Unido, à CNN em um comunicado. Cada aumento salarial adicional de 1% para a equipe de enfermagem custaria ao governo cerca de 700 milhões de libras (US$ 854 milhões), acrescentou.

O Barclay disse no Twitter no mês passado que a ação industrial afetaria “inevitavelmente” os serviços, mas que o NHS havia “experimentado e testado planos para minimizar a interrupção e garantir que os serviços de emergência continuassem a operar”.

“Anos de subinvestimento”

A disputa tem suas raízes em queixas anteriores. Os 360 mil enfermeiros que trabalham para o NHS – o maior grupo profissional do serviço – sofreram anos de subinvestimento, argumenta o RCN.

Em 2010, o governo de coalizão liderado pelos conservadores embarcou em uma década de austeridade para estabilizar as finanças do país após a crise financeira global.

O salário dos enfermeiros caiu 1,2% a cada ano entre 2010 e 2017, uma vez que a inflação foi levada em consideração, segundo a The Health Foundation, uma instituição de caridade do Reino Unido que faz campanha por melhores condições de saúde e assistência médica. Nos três primeiros anos, o pagamento foi congelado.

Apesar dos aumentos salariais desde então, o Nuffield Trust estima que o salário de uma enfermeira típica – cerca de 40.000 libras (US$ 49.000) para enfermeiras experientes que trabalham em período integral – caiu quase 6% após a inflação em comparação com uma década atrás. Isso se compara a um aumento de 0,6% nos salários do setor privado no mesmo período.

Internacionalmente, é difícil comparar o salário dos enfermeiros do Reino Unido, uma vez que os sistemas de saúde diferem significativamente entre os países, mas fica em algum lugar no meio da gama de economias comparáveis, disse Palmer.

“Quase de qualquer maneira, estamos bem no meio, normalmente [nós] parecemos um pouco piores do que a Alemanha, mas um pouco melhores do que a França, e certamente parecemos piores do que a Anglosfera, como a Austrália e os Estados Unidos,” falou.

Isso também é verdade para os gastos gerais com o NHS. Embora o governo tenha aumentado o financiamento na última década, os ganhos foram “marginais”, de acordo com Palmer. Considerando a inflação e as mudanças demográficas, os gastos na Inglaterra aumentaram apenas 0,4% ao ano desde 2010, mostram os dados do Nuffield Trust.

“Emocionalmente desgastante”

O pagamento não é o único problema. As enfermeiras também estão esgotadas, em parte porque há um recorde de 47 mil vagas na Inglaterra.

Os dados do Nuffield Trust mostram que 40 mil enfermeiros na Inglaterra, ou cerca de 11% da força de trabalho total de enfermagem, abandonaram seus empregos no ano até junho. Um número semelhante se juntou – quase 45 mil – mas não foi suficiente para preencher as lacunas.

A maioria dos enfermeiros saiu para se aposentar, mas o número citando o equilíbrio entre vida profissional e pessoal, o segundo motivo mais comum para sair, é quase quatro vezes maior do que há uma década.

E mais podem desistir se as condições não melhorarem. Uma pesquisa da RCN com seus membros em dezembro passado mostrou que 57% dos entrevistados estavam pensando em sair. Sentir-se desvalorizado e trabalhar sob muita pressão foram os principais motivos apontados.

Sally Warren, diretora de políticas do The King’s Fund, um think tank, disse à CNN que a última década foi “desafiadora”, pois o número de funcionários ficou atrás da demanda. A pandemia apenas intensificou esses problemas.

“[As enfermeiras estavam] tendo que gerenciar a chamada do iPad entre alguém que [não podia] ser visitado por parentes em suas horas finais”, disse Warren. “[Foi] realmente desgastante emocionalmente.”

0 visualização0 comentário
bottom of page